UNIVERSIDADE ESTADUAIS DO PARANÁ SÃO DESTAQUES EM RANKINGS NACIONAIS E INTERNACIONAIS

Foto: Jaelson Lucas/Arquivo AEN

As sete universidades estaduais do Paraná mantiveram bons resultados em rankings nacionais e internacionais ao longo de 2021. Entre as classificações estão o Latin America University Rankings 2021, o CWTS Leiden Ranking 2021, Impact Rankings 2021, Webometrics Ranking of World Universities, além do Guia da Faculdade 2021 e do Índice Geral de Cursos ligado ao Ministério da Educação (MEC). As informações são da AEN.

O superintendente de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Aldo Nelson Bona, reconheceu o empenho dos servidores e estudantes das instituições, apesar de todas as restrições impostas pela pandemia.

“As pesquisas científicas demonstram a relevância da comunidade acadêmica e científica para a sociedade, e de forma ainda mais acentuada nesses dois últimos anos, na compreensão e no gerenciamento dessa crise sanitária”, destacou. “O destaque em diferentes avaliações confirma o resultado desse trabalho e demonstra a qualidade do ensino superior e da pesquisa desenvolvida no Estado do Paraná”, destaca.

Para o coordenador de Ciência e Tecnologia da Seti, Marcos Pelegrina, os sistemas de ensino superior e de ciência e tecnologia do Paraná responderam com êxito aos desafios impostos pela Covid-19.

“As estruturas laboratoriais das universidades mantiveram plenamente as atividades, comprometidas em frear o avanço dessa doença, mas sem esquecer de outras áreas prioritárias e de suma importância ao nosso Estado. Esse esforço foi reconhecido por diferentes instituições internacionais”, enfatiza.

SUSTENTABILDIADE – Entre as avaliações está o Impact Rankings 2021, da revista THE Times Higher Education, que avalia o comprometimento e o impacto social das ações desenvolvidas pelas universidades nas áreas da pesquisa, administração, extensão e ensino.

Em 2021, 1.115 instituições de 94 países participaram da avaliação. A UEL e a UEM ficaram classificadas na faixa de 201 a 300 no ranking geral.

A Unioeste ficou avaliada entre 601-800, destacando-se principalmente nos ODS de Paz, Justiça e Instituições Fortes, Saúde e Bem-estar; Trabalho e Crescimento Econômico e Erradicação da Fome e da Pobreza.

PRODUÇÃO CIENTÍCA – A UEM e a UEL também estão classificadas entre as instituições de ensino superior que mais produzem pesquisa no mundo, segundo o ranking elaborado pelo Centro de Estudos em Ciência e Tecnologia (CWTS, na sigla em inglês), da Universidade de Leiden, na Holanda.

O CWTS Leiden Ranking 2021 contemplou quatro indicadores: impacto científico; colaboração, que considera parcerias interinstitucionais, internacionais e com a indústria; artigos publicados na modalidade de acesso aberto; e diversidade de gênero, que corresponde à proporção de autorias masculinas e femininas.

Esses aspectos foram analisados em cinco áreas do conhecimento: Ciências Biomédicas e da Saúde; Ciências da Terra e da Vida; Matemática e Ciências da Computação; Ciências Físicas e Engenharia; e Ciências Sociais e Humanidades.

“A pesquisa científica é fundamental para encontrar respostas e soluções em um mundo baseado, cada vez mais, em incertezas, assegurando um planeta mais sustentável, mais justo e mais próspero”, pontua o reitor da UEM, professor Júlio César Damasceno.

“Todo conhecimento gerado nos projetos de pesquisas é agregado aos cursos de graduação, contribuindo para a melhoria do ensino superior”, conclui o vice-reitor da UEL, professor Décio Sabbatini Barbosa.

AMÉRICA LATINA – As Universidades Estaduais conquistaram posições importantes no “Latin America University Rankings 2021” da revista inglesa Times Higher Education (THE). UEL, UEM, UEPG e Unioeste estão entre as 100 melhores da América Latina.

A revista, fundada em 2004, é responsável por ranquear a lista das melhores universidades do mundo. O ranking avaliou 177 universidades de 13 países da América Latina.

As quatro universidades figuraram, ainda, entre as mais bem colocadas no World University Rankings, também organizado pela THE. As instituições estaduais apresentaram uniformidade em todos os indicadores da pesquisa e se destacaram no quesito inovação, cujos índices de classificação se aproximaram das instituições brasileiras mais bem avaliadas.

RANKINGS NACIONAIS – O Ministério da Educação divulgou, no mês de abril, o Índice Geral de Cursos (IGC) 2019, conceito que avalia anualmente a qualidade dos cursos de graduação e pós-graduação (mestrado e doutorado) ofertados em universidades, centros universitários, faculdades e institutos tecnológicos das redes pública e privada.

O resultado final do IGC é composto por cinco faixas que variam de 1, a nota mais baixa, a 5, o conceito máximo.

As universidades estaduais de Londrina (UEL), Maringá (UEM), de Ponta Grossa (UEPG), do Oeste do Paraná (Unioeste), do Centro-Oeste (Unicentro) e do Norte do Paraná (Uenp) conquistaram conceito 4. A Universidade Estadual do Paraná (Unespar) ficou com conceito 3.

Entre as universidades estaduais brasileiras a posição do Paraná é de protagonismo. A UEL aparece como a 4ª melhor estadual do Brasil, seguida pela UEM em 6ª, Unicentro em 7ª e Unioeste em 8ª posição. Fechando a lista das 25 melhores estão: UEPG em 11ª, UENP em 17ª e Unespar na 24ªcolocação.

Da AEN.

Foto: José Fernando Ogura/AEN

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *