MORTES POR COVID NO MUNDO ULTRAPASSAM 3 MILHÕES

MORTES POR COVID NO MUNDO ULTRAPASSAM 3 MILHÕES

De acordo com dados divulgados pela Universidade Johns Hopkins, dos Estados Unidos, neste sábado (17/04), o número de mortes por covid-19 superou 3 milhões em todo o mundo. Foram registradas 3.002.053 mortes.

De acordo com o portal da emissora alemã Deutsche Welle, desse total, mais de 1 milhão morreram depois de 15 de janeiro, data em que a pandemia atingiu 2 milhões de vítimas. Foram necessários cerca de nove meses para que se registrasse o primeiro milhão de mortos, em 28 de setembro de 2020.  Outros quatro meses e meio  depois o mundo chegou ao próximo milhão. E agora, mais 1 milhão. Confira as datas:

  • 09/01/20: 1ª morte
  • 28/09/20: 1 milhão de mortes (263 dias desde a 1ª morte)
  • 14/01/21: 2 milhões (108 dias desde o 1º milhão de mortes)
  • 17/04/21: 3 milhões: (93 dias desde os 2 milhões)

A Deutsche Welle lembra que as mortes por covid continuaram a aumentar, apesar de meses de campanhas de vacinação e que países mais ricos foram criticados por acumular doses de vacinas, enquanto nações com grandes populações, como Índia e Brasil, lutam para reduzir as taxas de infecção.

Número de mortes por covid deve ser maior
O texto da emissora alemã pondera ainda que embora a contagem seja baseada em números fornecidos por agências de governos, o número real de mortes e casos da doença deve ser maior. Isso pela falta de testes e de muitas mortes registradas incorretamente, especialmente durante os primeiros meses da pandemia.

Além disso, o portal mostra que os casos e mortes globais continuam a aumentar, mas não de maneira uniforme em todo o mundo. Alguns países, como o Reino Unido e Portugal, que foram duramente atingidos, conseguiram reduzir o número de casos e suspender bloqueios rígidos.

A Índia – com uma população de mais de 1,3 bilhão – relatou um recorde de 200 mil novas infecções diárias nesta quinta-feira (15/04), após ter conseguido controlar uma onda anterior. O país é o segundo com mais casos de covid-19, depois dos EUA, citou a Deutsche Welle.

Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil

Do Paraná Portal

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *