CURITIBA REGISTRA PRIMEIRO DIAGNÓSTICO DE COVID-19 PELA VARIANTE DELTA; RMC CONFIRMA MAIS TRÊS CASOS

Foto: Jéssica Natal/UEPG

A Secretaria Municipal da Saúde (SMS) registrou o primeiro caso de covid-19 causado pela variante Delta do coronavírus em Curitiba. A amostra foi analisada pelo Laboratório Central do Estado (Lacen) por meio de um protocolo molecular de pesquisa para mutações que demonstrou características sugestivas da nova variante indiana. Depois, a amostra foi enviada para a Fiocruz, no Rio de Janeiro, onde foi realizado o sequenciamento genético e a confirmação. As informações são da Banda B com AEN e SMCS.

A paciente é uma gestante, de 24 anos, sem histórico de viagens recentes. Ela está no segundo trimestre da gestação, já se recuperou da doença e passa bem.

“A paciente apresentou febre, cefaleia e tosse”, explicou a médica infectologista da SMS, Marion Burger. “Foi coletada amostra respiratória no dia 22 de junho com resultado positivo, e ela evoluiu bem clinicamente”, diz.

De acordo com Marion, a Vigilância Epidemiológica do município realizará uma avaliação em relação aos contatos da paciente, para levantar dados sobre a cadeia de transmissão. “Precisamos averiguar o contexto epidemiológico”, explica.

Segundo Marion, a variante Delta é mais transmissível que as demais, mas ainda não há estudos que apontem se é mais letal. “Nosso objetivo é manter a vigilância de casos desta variante, para monitorar os desdobramentos da pandemia em Curitiba”, explica.

De acordo com as autoridades de saúde, independentemente da cepa do vírus ou linhagem, as medidas de prevenção e métodos de diagnóstico e tratamento da covid-19 seguem os mesmos. Sendo assim, não há alteração nas medidas sanitárias já adotadas, como uso de máscaras e álcool em gel, lavagem das mãos e distanciamento social.

RMC
A Secretaria da Saúde do Paraná também confirmou nesta segunda-feira mais três casos confirmados da variante delta no Estado, além do de Curitiba, todos na área da 2ª Regional de Saúde (da Grande Curitiba). Os confirmados são em Araucária, Piên e Piraquara. Segundo o Ministério da Saúde, a transmissão ainda não é considerada comunitária porque o estudo dos casos segue em andamento.

Os três casos confirmados são um homem de 78 anos, de Araucária, que foi a óbito em 30 de junho; um homem de 64 anos, de Piên, que foi a óbito no dia 11 de julho; e um adolescente de 13 anos, de Piraquara, que também evoluiu satisfatoriamente.

O Paraná totaliza até o momento 13 casos confirmados da variante delta, com seis óbitos. Todos os casos confirmados pela Sesa passaram sequenciamento genômico realizado pelo Laboratório da Fiocruz, no Rio de Janeiro. Já são nove cidades com casos: Curitiba, Apucarana, Francisco Beltrão, Mandaguari, São José dos Pinhais, Rolândia, Piên, Piraquara e Araucária.

Segundo técnicos da Vigilância Epidemiológica do Ministério da Saúde e da Sesa, a avaliação sobre o cenário da transmissão da variante delta no Paraná é permanente.

“O Paraná está atento à transmissão da variante, considerada de atenção, desde os primeiros casos. Acompanhamos a investigação da rede de contatos dos casos confirmados. Existe uma investigação ampliada há dez dias com a participação de equipes do Ministério da Saúde, do Programa de Treinamento em Epidemiologia Aplicada aos Serviços do Sistema Único de Saúde (EpiSUS), que estão pesquisando minuciosamente a rede de contatos dos casos secundários a até terciários dos confirmados”, explicou o secretário de Estado da Saúde do Paraná, Beto Preto.

Da Banda B com AEN e SMCS.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *