CHAPA LULA E ALCKMIN: POR ELEIÇÃO, DESAFETOS VIRAM “COMPANHEIROS”

Foto: Reprodução/GloboNews

“Daqui para a frente, você não pode mais ser tratado de ex-governador, eu não posso ser tratado de ex-presidente. Você me chama de companheiro Lula, eu te chamo de companheiro Alckmin.” Foi dessa forma que o virtual pré-candidato do PT à Presidência da República, Luiz Inácio Lula da Silva, deu as boas-vindas ao seu provável colega de chapa. As informações são de Vinicius Doria, do Correio Braziliense.

A indicação formal de Geraldo Alckmin pelo PSB para compor com Lula a candidatura presidencial, nesta sexta-feira (08/04) em um hotel de São Paulo, foi mais um ato no sentido de consolidar a aliança entre os dois, ainda vista com desconfiança por alas petistas. Para mostrar que não pretende negociar o nome de seu companheiro de chapa, Lula convidou as principais lideranças dos dois partidos para o evento.

Ainda não foi o anúncio oficial da coligação PT-PSB, mas, na prática, a aliança está sacramentada. O Diretório Nacional do PT deve reunir-se no dia 13 para oficializar a indicação dos dois nomes, que serão levados à aprovação do partido em um encontro nacional marcado para o início de junho. Antes, em 30 de abril, os dois devem participar de um ato público para anunciar a união e, em 1º de maio, há a expectativa de que Alckmin estreie em um palanque tradicionalmente petista nas comemorações do Dia do Trabalho.

“Vou me dedicar de corpo e alma para que esta aliança seja definitiva. Vamos percorrer este país de Roraima ao Chuí”, disse Lula, dando o tom de pré-campanha.

Mais contido, Alckmin falou antes do ex-presidente. Mas bateu na tecla de que a situação política e econômica do país é bastante complicada. “Aqui foi bem explicitado o momento grave que nós estamos vivendo. Não é hora de egoísmo, é hora de generosidade, grandeza política, desprendimento e união. Política não é uma arte solitária. A força da política é centrípeta, e nós vamos somar esforços para a reconstrução do nosso país”, declarou o ex-tucano.

A presidente do PT, deputada Gleisi Hoffman (PR), foi a mestre de cerimônia do evento, montado para que seu homólogo do PSB, Carlos Siqueira, pudesse entregar formalmente a carta com a indicação do nome para a vice-presidência. No documento, o PSB manda alguns recados, como a intenção da legenda de participar da montagem do programa de governo da coligação.

“A composição de uma frente ampla exige a formulação de um programa que corresponda às perspectivas das forças que a compõem, tanto em termos político-partidários quanto no que se refere aos segmentos da sociedade civil que tal frente pretende representar”, destaca Siqueira na carta, que descreve Alckmin como um político de vida pública “longeva e honrada”, “perseverante” na defesa da democracia e que prega o equilíbrio no “diálogo entre diferentes”.

Caciques das duas legendas reforçaram a imagem de união. Do PSB estavam o governador de Pernambuco, Paulo Câmara; o prefeito do Recife, João Campos; e o pré-candidato ao governo de São Paulo Márcio França. Do lado petista estavam o senador Paulo Rocha (PA) e deputados como Paulo Teixeira (SP), Reginaldo Lopes (MG) e José Guimarães (CE).

Toda a fala de Lula foi no sentido de prestigiar o novo aliado — que já foi, pelo PSDB, um dos principais adversários do PT em São Paulo. “Ninguém tem mais experiência de ser vice como Alckmin. Ele foi vice do (governador de São Paulo) Mário Covas — e o Mário Covas era um governador turrão. Alckmin aprendeu a ser vice do Covas, durante seis anos, e foi governador. Vocês sabem que é isso que precisamos para consertar o Brasil: a experiência do Alckmin, a minha experiência, e o compromisso que vamos assumir”, discursou o ex-presidente.

Para a deputada Benedita Silva (PT-RJ), Alckmin é uma “sinalização para os setores que pensam que o PT é radical, que não vai dialogar”. Ela acredita que o neossocialista terá um papel importante nas articulações políticas. “Nós sabemos que essas eleições vão ser duras, que não estão ganhas e que depende de muita luta que teremos pela frente”, frisou. “O papel do Alckmin, o papel de um vice é também participar das articulações políticas, é um papel muito importante. Como o José Alencar quando o Lula foi presidente”, comparou a deputada.

Do Correio Braziliense

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *