FOMENTO PARANÁ FAZ 21 ANOS E DESTACA ATUAÇÃO DURANTE A PANDEMIA

FOMENTO PARANÁ FAZ 21 ANOS E DESTACA ATUAÇÃO DURANTE A PANDEMIA

Uma conferência virtual com o quadro de colaboradores, realizada nesta segunda-feira (09/11) marcou a comemoração pelos 21 anos de atuação da Fomento Paraná, alcançados nesse domingo, 8 de novembro.

O diretor-presidente da instituição financeira estadual, Heraldo Neves, aproveitou a oportunidade para reconhecer o mérito do trabalho de toda a equipe especialmente durante o período da pandemia de Covid-19.

“A pandemia gerou um esforço extremamente importante de todos os colaboradores e parceiros da Fomento Paraná e chegamos a este momento muito maiores do que a esperávamos quando entramos, em abril deste ano”, afirmou o diretor.

Ele destacou os mais de 60 mil pedidos de crédito registrados e as 27 mil operações contratadas desde o início da pandemia no estado, envolvendo também recursos do Fundo de Desenvolvimento Econômico (FDE).

O diretor-presidente apresentou um breve retrospecto da atuação da instituição, criada em 8 de novembro de 1999, quando o Governo do Estado optou por reduzir essa atividade e tomou recursos do governo federal para sanear e vender o Banco Banestado, para depois iniciar a Fomento Paraná. “A instituição foi criada com um montante de R$ 100 milhões, que hoje representam ativos que somam R$ 2 bilhões, o que demonstra um crescimento importante nesse período”, destacou.

A Fomento Paraná iniciou as atividades basicamente atuando com microcrédito e a partir da Lei de Responsabilidade Fiscal ficou responsável também pelas operações de financiamento aos municípios, por meio do Sistema de Financiamento aos Municípios, com os recursos do Fundo de Desenvolvimento Urbano, trabalhando em conjunto com a Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Serviço Social Autônomo Paranacidade.

“Somadas as carteiras de crédito para empreendedores privados e para os municípios, hoje são quase R$ 1,4 bilhão em recursos em circulação na economia paranaense e uma clientela ativa que nos torna uma das principais instituições financeiras neste segmento. São quase 40 mil clientes ativos, com operações em mais de 380 municípios”, apontou Neves.

DESAFIOS – Os desafios mais importantes a partir de agora são colocar em atividade os novos fundos relacionados ao Estatuto da Microempresa, e a captação de recursos, uma vez que os limites de crédito fornecidos pelo BNDES para este ano foram atingidos (pela primeira vez na história da empresa), e por fim começar a atuar no crédito rural, fechando o rol de atividades econômicas atendidas.

Foto: Geraldo Bubniak / AEN

Da Agência Estadual de Notícias

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *