APÓS VAZAMENTO DE ÁUDIOS, VEREADOR MÁRCIO BARROS DEIXA CONSELHO DE ÉTICA DA CÂMARA

O vereador Márcio Barros (PSD), de Curitiba – Foto: CMC/arquivo

Após o vazamento de áudios em que defendia a cassação do vereador Renato Freitas (PT) por quebra de decoro parlamentar pela participação em uma manifestação antirracista em 5 de fevereiro, na Igreja do Rosário, o vereador Márcio Barros (PSD) pediu desligamento nesta segunda-feira (25/040do Conselho de Ética da Câmara Municipal de Curitiba. Em nota, Barros afirmou que tomou essa decisão “para resguardar a integridade do julgamento do vereador Renato Freitas”. As informações são do Bem Paraná.

Antes, Freitas já havia pedido a suspeição de Barros e a anulação do processo. O vereador do PSD diz que “foi vítima de dois vazamentos de áudios que foram encaminhados para um amigo, e outro para a vereadora Noêmia Rocha, onde ele se posiciona a favor da possível cassação do vereador Renato Freitas”.

Ele afirma que seu posicionamento não configura voto antecipado, pois os pareceres, que serão feitos pelo relator Sidney Toaldo e vice- relatora vereadora Maria Letícia, ainda não foram apresentados, o que torna a posição do parlamentar, apenas entendimento pessoal, visto que foi feito após a apresentação de defesa prévia e ouvir 12 testemunhas como também o depoimento do vereador investigado. “Após defesa prévia e mais de 12 horas de audiência, como também depois de ouvir o vereador com as suas alegações, o meu posicionamento ficou estabelecido caso houvesse algum parecer no mesmo sentido. Agora, fora do Conselho, mais do que nunca serei um fiscal, acompanhando todos os passos do processo”, explicou o vereador.

No pedido de suspeição, a defesa de Freitas detalhou os áudios do parlamentar. “Então, o primeiro parecer foi da Indiara, Indiara não, vereadora Amália, ela é a corregedora da Câmara, ela acatou os pedidos de cassação. Na sequência, esses pedidos foram para o Conselho de Ética, o qual eu faço parte, somos em oito vereadores lá (no Conselho de Ética), estamos analisando todos os
pontos né. Já foram ouvidas 12 testemunhas e o Renato também. O que a gente percebe é o seguinte, que tem quatro vereadores lá que já sinalizaram que vão votar pela cassação, e eu faço parte. E tem três que já falaram que vão votar pela suspensão ou arquivamento. Então tem duas vereadoras lá que estão ainda em dúvida de como vão votar, é a Indiara Barbosa (Novo) e a Noemia Rocha (MDB). O pior de tudo é a Noêmia, que é da Assembleia de Deus, né cara? E ela já disse que vai votar a favor do arquivamento, entendeu, mas enfim, tem que meter uma pressão nela lá”, disse Márcio Barros.

Do Bem Paraná.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *