QUASE METADE DAS CIDADES DO PARANÁ PERDEU HABITANTES EM 2020, DIZ IBGE

QUASE METADE DAS CIDADES DO PARANÁ PERDEU HABITANTES EM 2020, DIZ IBGE

Quase metade das cidades do Paraná perdeu habitantes entre 2019 e 2020, de acordo com a estimativa populacional do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), publicada nesta quinta-feira (27/) no Diário Oficial de União.

Dos 399 municípios, 183 (45,8%) tiveram redução populacional, dois mantiveram o mesmo número e 214 registraram crescimento, segundo o instituto. 

Conforme o IBGE, o Paraná teve aumento de 0,72% no total de habitantes, chegando a 11.516.840. O estado é o quinto do país em população, atrás de São Paulo (46.289.333), Minas Gerais (21.292.666), Rio de Janeiro (17.366.189) e Bahia (14.930.634).

Resumo dos destaques:

  • No Paraná, apenas Curitiba rompeu a barreira do milhão, com 1.948.626 habitantes, sendo a oitava mais populosa do Brasil;
  • a Região Metropolitana de Curitiba (RMC) tem 3.693.891 pessoas, configurando a nona associação de municípios do país;
  • a taxa de crescimento da RMC em relação a 2019 foi de 1,07%, superior à da capital, que ficou em 0,80%;
  • Londrina permanece no posto de cidade com mais habitantes do interior paranaense, com 575.377 habitantes;
  • Jardim Olinda, no noroeste, tem a menor população com 1.320 pessoas;
  • Tunas do Paraná, na RMC, teve a maior taxa de crescimento (2,88%), chegando a 9.022 habitantes;
  • Altamira do Paraná, no noroeste, registrou a maior queda na taxa de crescimento (-13.38%), caindo para 1.682 moradores;
  • Barra do Jacaré (2.781) e Nossa Senhora das Graças (4.008) foram as únicas a manter a mesma estimativa populacional de 2019;
  • no país, 21,9% da população está concentrada em 17 municípios, todos com mais de um milhão de habitantes, sendo que 14 são capitais, como Curitiba.

Migração entre cidades

De acordo com o diretor de Pesquisa do Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social (Ipardes), Julio Suzuki, o Paraná é um estado demograficamente consolidado, sem grandes fluxos de saída ou entrada de pessoas.

Ele explica que internamente ocorre migração de cidades menores para as médias ou grandes, chamadas de polos regionais, como Cascavel, Ponta Grossa e Maringá, por exemplo.

“Diferentes de regiões como Centro-Oeste e Norte, que se percebe uma chegada maior de pessoas, o Sul segue o mesmo padrão, com crescimento abaixo inclusive da média nacional”, afirma Suzuki.

Dez maiores cidades do Paraná:

  • Curitiba: 1.948.626 (+ 0,80%)
  • Londrina: 575.377 (+ 0,99)
  • Maringá: 430.157 (1,53%)
  • Ponta Grossa: 355.336 (+ 1,02%)
  • Cascavel: 332.333 (+ 1,18%)
  • São José dos Pinhais: 329.058 (+ 1.76%)
  • Foz do Iguaçu: 258.248 (+ 0,79%)
  • Colombo: 246.540 (+ 1.15%)
  • Guarapuava: 182.644 (+ 0,62%)
  • Paranaguá: 156.174 (+0,79%)

Foto: Ari Dias / AEN

Do G1 Paraná

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *