PELO VOTO (MAIS) RESPONSÁVEL NAS ELEIÇÕES MUNICIPAIS

PELO VOTO (MAIS) RESPONSÁVEL NAS ELEIÇÕES MUNICIPAIS

Mereceu apenas um discreto registro, na quase totalidade dos veículos da imprensa nacional, pesquisa veiculada em dezembro pelo Instituto Datafolha sobre a imagem do Congresso Nacional. Embora o resultado da sondagem fosse previsível, seus dados não foram menos assustadores.

De acordo com o Instituto Datafolha, a reprovação dos entrevistados aos 513 deputados e 81 senadores subiu de 32% em agosto para 45%, no mês passado. Os números mostram que a imagem do Congresso Nacional não poderia ser mais negativa – e está piorando, gradualmente.   

Em uma primeira análise, chega-se à conclusão óbvia de que os números revelam a fragilidade da representatividade de boa parte dos parlamentares do Congresso Nacional e também, possivelmente, dos partidos pelos quais foram eleitos. É uma desconexão dos deputados com seus apoiadores que não pode ser atribuída exatamente a uma eventual traição dos parlamentares diante dos seus eleitores nas votações da Casa e em seus posicionamentos, mas – no mínimo – a uma ausência de sintonia entre eles.

Uma reflexão mais acurada denuncia outro grave problema, que está diretamente relacionado ao primeiro. Pesquisa feita pelo Diap (Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar) revela que a taxa de renovação na Câmara Federal foi de 52% nas eleições de outubro de 2018 – maior percentual dos últimos 20 anos, no Brasil. Em números absolutos, isto significa que os brasileiros elegeram 267 novos deputados federais.

A evidente contradição entre a insatisfação do eleitorado com os deputados federais e a grande renovação do Congresso Nacional aponta para uma grave tragédia institucional: a falência do sistema educacional formal e informal brasileiro, que resulta em um alto grau de desinformação e de alienação política dos eleitores. Um problema que começa com a educação apolítica que muitos recebem na família, prossegue na escola e se perpetua na vida em sociedade.

É uma lógica de fácil entendimento e dura aceitação. Todos os eleitores têm o direito de votar em quem bem entendem, tanto quanto de serem votados. É a tal democracia participativa. Mas quando chega a 45% a reprovação de um Congresso Nacional eleito há apenas um ano (com 52% parlamentares novos), constata-se o óbvio: o eleitorado tem enorme dificuldade de eleger bons representantes no Congresso Nacional ou, no mínimo, revela-se incapaz – porque não reúne todas as informações necessárias para fazer escolhas mais adequadas – de votar em candidatos efetivamente comprometidos com os seus interesses.   

Não se diga que boa parte dos eleitores não tem recursos para fazer boas escolhas. De acordo com a pesquisa TIC Domicílios, 70% da população (127 milhões de pessoas) acessa a internet. A questão é: acessa quais conteúdos? O tema exige estudos aprofundados, mas sondagem da consultoria Ideia Big Data, divulgada em setembro, dá uma pista sobre os temas mais buscados pelos internautas.

Citemos apenas um dado da pesquisa: o percentual de brasileiros entre 18 e 24 anos que consome informação sobre política nas redes é 47% – o maior entre todas as faixas etárias. Um número significativo, mas ainda pequeno, considerando-se a relevância do tema, sobretudo em anos eleitorais.

Os dados citados acima são incompletos, mas suficientes para dar um importante recado à sociedade. Se o eleitor não aprimorar os critérios de escolha dos seus representantes no Legislativo e no Executivo, vai eleger uma coleção de vereadores e de prefeitos tão bizarros como parte dos deputados e governadores que elegeu, em 2018. Gente comprometida com uma agenda profundamente impopular e contrária aos interesses dos trabalhadores. O resultado desta equação é conhecido e já pode ser medido pelas pesquisas: frustração. A maioria dos pré-candidatos às eleições de 2020 já está em disputa aberta, uma vez que a campanha será curta – 45 dias. Vale prestar atenção neles. E já.  

Imagem: reprodução

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *