PARANÁ ABRE CADASTRO PARA RENDA EMERGENCIAL A TRABALHADORES DA CULTURA

O Paraná abriu o cadastro para a renda emergencial a trabalhadores da cultura por meio da Lei Aldir Blanc, de acordo com o governo estadual. O cadastramento vai até 14 de setembro e deve ser feito no site da Secretaria de Comunicação Social e Cultura.

O setor cultural teve R$ 3 bilhões destinados pela Medida Provisória 990/2020. Segundo o governo, a verba será repassada em parcela única aos estados e municípios.

A exemplo do auxílio emergencial pago aos informais, os trabalhadores da cultura terão direito a três parcelas de R$ 600 de auxílio, pagas de uma vez, nos valores e condições definidos por lei.

Para evitar o acúmulo de dois benefícios, o trabalhador não pode ser beneficiário do auxílio emergencial. Confira, abaixo, os requisitos para receber o benefício da Lei Aldir Blanc:

  • ter mais de 18 anos e atuação social ou profissional nas áreas artística e cultural nos últimos dois anos;
  • renda familiar mensal per capita de até meio salário mínimo (R$ 522,50) ou renda familiar mensal total de até três salários mínimos (R$ 3.135) (o que for maior);
  • o trabalhador não poderá ter emprego formal ativo, ser titular de benefício previdenciário ou assistencial ou beneficiário do seguro-desemprego ou de programa de transferência de renda federal, ressalvado o Bolsa Família;
  • também não poderá receber a ajuda se tiver recebido rendimentos tributáveis acima de R$ 28.559,70 em 2018;
  • poderão receber os R$ 600 até duas pessoas de uma mesma família. Mães solo receberão o dobro do benefício (R$ 1.200), em seis parcelas de R$ 600, que também serão pagas de uma vez;
  • ser agente cultural há dois anos. Comprovação, por foto, de ser artista (das áreas de música, teatro, dança, circo, artesanato, arte visual, audiovisual, cultura popular, literatura, formação); técnico (luz, som, estrutura); gestor ou produtor cultural.

Subsídios para espaços culturais
Entre outras ações previstas pela Lei Aldir Blanc, o repasse deve contemplar também subsídio, ao encargo dos municípios, para a manutenção de espaços artísticos e culturais, microempresas e pequenas empresas culturais, organizações culturais comunitárias, cooperativas e instituições culturais.

Foto: Unsplash

Do G1 Paraná

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *