INVESTIGADO PELO STF, WEINTRAUB DEIXA MEC E DIZ QUE IRÁ PARA BANCO MUNDIAL

O economista Abraham Weintraub anunciou nesta quinta-feira (18/06) sua saída do MEC (Ministério da Educação) e se torna o décimo ministro a deixar o governo de Jair Bolsonaro (sem partido). Em um vídeo ao lado do presidente, Weintraub afirmou ter recebido um convite para trabalhar no Banco Mundial. As informações são de Ana Carla Bermúdez, Carla Araújo e Hanrrikson de Andrade, do UOL.

A queda de Weintraub vinha sendo especulada desde que veio a público um vídeo de uma reunião ministerial realizada no dia 22 de abril. Na ocasião, o então ministro defendeu a prisão de ministros do STF (Supremo Tribunal Federal). “Eu, por mim, colocava esses vagabundos todos na cadeia. Começando pelo STF”, declarou.

Desde então, os membros da corte, lideranças do Legislativo e até quadros dentro do próprio governo passaram a cobrar a demissão de Weintraub. Bolsonaro, no entanto, tem apreço pelo ex-ministro e buscou resistir até o limite. A pressão, no entanto, tornou-se insustentável.
No último domingo (14), Weintraub compareceu em Brasília a uma manifestação do grupo bolsonarista “300 do Brasil”, grupo que já fez diversos ataques ao Supremo, e voltou a usar o termo usado na reunião ministerial: “Eu já falei qual é a minha opinião, o que eu faria com os vagabundos”. O episódio acirrou ainda mais a tensão do governo com o Supremo.

Na última segunda (15), o STF formou maioria para manter Weintraub no inquérito das fake news. O julgamento foi concluído na quarta (17) com o placar de 9 a 1 contra o ex-ministro.

Período de transição
“Desta vez é verdade, estou saindo do Ministério da Educação”, diz Weintraub no vídeo. O agora ex-ministro afirma que vai iniciar um período de transição no MEC e que nos próximos dias irá “passar o bastão” ao seu substituto, mas não menciona nomes.

Bolsonaro estuda colocar um ministro interino para comandar o MEC: o atual secretário-executivo da pasta, Antônio Paulo Vogel, deve assumir o cargo provisoriamente. A decisão é semelhante ao que Bolsonaro fez na Saúde, ministério hoje comandado pelo general Eduardo Pazuello.

“Agradeço a todos de coração, em especial ao presidente Jair Bolsonaro, o melhor presidente do Brasil! Liberdade!”, escreveu no Twitter, divulgando o vídeo de despedida.

“Nos próximos dias, passo o bastão para o ministro que vai ficar no meu lugar, interino ou definitivo. Neste momento, não quero discutir os motivos da minha saída, não cabe. Recebi o convite para ser o diretor de um banco, já fui diretor de um banco no passado e volto para o mesmo cargo, porém no Banco Mundial”, afirma Weintraub na gravação.

“Com isso, eu, a minha esposa e nossos filhos poderemos ter a nossa segurança que está me deixando muito preocupado. Estou fechando um ciclo e fechando outro, presidente, e claro que sigo apoiando o senhor, assim como faço há três anos.”.

Weintraub elogiou Bolsonaro e disse que o chefe do Executivo é um “patriota que defende os mesmos valores que eu sempre acreditei: família, honestidade, fraqueza, patriotismo e que tem Deus no coração”.

Já o presidente disse considerar este um momento “difícil” e afirmou que faz o que o “povo quiser”.

Foto: Agência Brasil

Do UOL

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *