GOVERNO FARÁ 100 MIL TESTES RÁPIDOS PARA MAPEAR CORONAVÍRUS NO PAÍS

GOVERNO FARÁ 100 MIL TESTES RÁPIDOS PARA MAPEAR CORONAVÍRUS NO PAÍS

Enquanto o governo federal não estabelece diretrizes para a retomada das atividades econômicas, quando isso for possível, o Ministério da Saúde organiza a realização de testes e a coleta de dados, que poderão servir para balizar uma tomada de decisão. Em paralelo, pelo menos sete estados já traçam planos para reduzir, ao poucos, as medidas de distanciamento social. A pasta trabalha em três frentes de atuação para melhorar o rastreamento da contaminação em todo o país e auxiliar na construção de um plano sobre as medidas de mobilidade social. AS informações são de Juliana Dal Piva e Juliana Castro n’O Globo.

A primeira pesquisa em andamento é um estudo nacional coordenado pela Universidade Federal de Pelotas (UFPEL) e realizado com apoio do instituto Ibope, que vai entrevistar e realizar testes rápidos de detecção de anticorpos de Covid-19 em quase 100 mil pessoas de todos os estados do país, além do Distrito Federal.

Os testes serão feitos em três fases, cada uma separada da outra por um período de duas semanas. Em cada etapa, 33.250 pessoas serão testadas e responderão a um questionário. A primeira deve começar na semana que vem, após o Ibope adquirir os equipamentos de proteção para os 2.600 entrevistadores que farão o levantamento.

Os dados serão coletados em 133 cidades sentinela, termo técnico que define os maiores municípios de regiões intermediárias do Brasil, conforme divisão do IBGE.

— Quando chegar ao domicílio, o entrevistador vai elencar quem mora ali. Haverá um sorteio aleatório e o próprio tablet informa qual pessoa será entrevistada e testada — explica a CEO do Ibope Inteligência, Márcia Cavallari.— O entrevistador coleta uma gota de sangue e coloca em um aparelho. Se der positivo, vai ter que testar todos os moradores daquele domicílio.

IBGE atuará por telefone
Outra modalidade de pesquisa será feita pelo IBGE: a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua com foco no monitoramento da Covid-19. Pesquisadores do instituto irão entrevistar 200 mil pessoas ao longo de três meses, por telefone. A ideia é entrevistar as mesmas pessoas várias vezes, para saber se elas adoeceram ou não, além de coletar dados socioeconômicos.

As duas pesquisas vão complementar as informações obtidas por meio do TeleSUS, que começou a operar no início de abril. Até ontem, existiam 300 mil pessoas sendo acompanhadas pelo serviço. O próprio sistema do ministério, por meio de inteligência artificial, liga para a população para saber se alguém naquele telefone possui sintomas de síndrome gripal ou Covid-19. Os cidadãos também podem buscar auxílio, por meio do telefone 136 ou por chat. Já foram atendidas 5,2 milhões de pessoas. A meta é chegar a 120 milhões.

Em entrevista ao GLOBO, o secretário da Atenção Primária à Saúde do ministério, Erno Harzheim, afirmou que o ideal é que as medidas de isolamento social sejam mantidas pelo menos até o fim de abril, quando uma parte dos dados estará pronta.

— Sem esses dados mais claros, como a gente vai voltar atrás na orientação de isolamento? Sem ter um pouco mais de informação precisa para tomar essa decisão? Não dá. E a gente está preparando esses três mecanismos (IBGE, UFPEL com Ibope e TeleSUS) para ter um mapeamento mais completo e conseguir tomar as decisões de forma mais precisa e com mais segurança —afirmou Erno Harzheim. — Em 15 dias a gente já vai ter muita informação para poder preparar planos de restrição ou abrandamento, mas sempre vai estar dependente do comportamento futuro. O ideal seria que as medidas de restrição ficassem até o final do mês, mas não para abrir. Para ver o que está acontecendo e tomar decisão — disse ele.

O secretário afirma que os dados ajudarão a definir as políticas de mobilidade e a entender qual é o tamanho da transmissão comunitária.

— O objetivo da pesquisa é ver a velocidade real de transmissão na comunidade e não em quem procura serviço de saúde — explica o secretário. — Por que isso é importante? No momento em que a gente está perto da metade da população imune, a gente está com maior controle da epidemia. Essa informação nos ajuda a definir a melhor política de mobilidade social — diz.

Em vídeo divulgado neste domingo, o ministro Nelson Teich voltou a defender a necessidade de ampliar a testagem no Brasil, mas disse que isso não significa que todos serão testados.

— Embora a gente coloque testes em massa, não é que a gente vai conseguir testar todo mundo. Se a gente olhar a Coreia do Sul, que é considerado um exemplo nessa situação, eles fizeram em torno de 10 mil testes (por milhão de habitantes). A Itália, que viveu uma situação muito mais crítica, tem 21 mil testes por milhão de pessoas — afirmou Teich.

Foto: Fabiano Rocha / Agência O Globo

D’O Globo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *