CURITIBA É A CAPITAL COM MAIOR INCIDÊNCIA NOS CASOS DE SÍNDROME RESPIRATÓRIA GRAVE NO BRASIL

Foto: Rodrigo Felix Leal/AENPr

Curitiba é a capital brasileira que apresenta a maior taxa de incidência dos casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) em todo o Brasil. É o que mostra o mais recente Boletim Infogripe Fiocruz, divulgado nesta quinta-feira (26/05) e que sinaliza continuidade da tendência de aumento dos casos de Covid-19 na capital paranaense, ainda que com desaceleração em relação às semanas anteriores. As informações são de Rodolfo Luis Kowalski, do Bem Paraná.

A análise, referente à Semana Epidemiológica (SE) 20, período de 15 a 21 de maio, revela que o número de casos de SRAG em Curitiba saltou de 36 registros na semana 11 (entre 13 e 19 de março) para 211 na última semana, o que implica num aumento de 486%. Ou seja, o número de casos praticamente sextuplicou, multiplicou por seis.

Essa situação toda faz com que Curitiba apareça pela quarta semana consecutiva como a capital brasileira com maior taxa de incidência de SRAG. A estimativa do Infogripe é que o município paranaense tenha registrado entre os dias 15 e 21 de maio 10,9 casos por 100 mil habitantes, taxa consideravelmente superior a verificada em Macapá (6,0), Belo Horizonte (5,7), Aracaju (4,9) e Porto Alegre (4,8) no mesmo período, municípios que aparecem logo atrás no ranking.

A taxa curitibana, que chegou a ser de 1,9 na semana 11, acumula nove altas consecutivas, com aumento de 474% no período. No ano, apenas na semana 3 (entre 16 e 22 de janeiro) a capital paranaense havia registrado uma taxa maior que a atual, de 11 casos por 100 mil habitantes, valor que deve ser superado em breve, considerando que a expectativa é de alta nos casos na capital paranaense para as próximas semanas, segundo a Fiocruz – ainda que a tendência de curto prazo seja de um crescimento menos acelerado do que o verificado nas semanas mais recentes.

Nos últimos anos (desde 2020), os piores momentos, com maior incidência nos casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG), foram registrados entre as semanas 8 e 10 de 2021, entre os meses de fevereiro e março, quando a taxa por 100 mil habitantes chegou a variar entre 23,2 e 32. Nesse mesmo intervalo, o número de casos de SRAG na cidade variou entre 449 e 619 por semana.

Tendência de aumento também no Paraná
O Boletim Infogripe aponta também que 20 das 27 capitais brasileiras (entre elas Curitiba, como já citado) apresentam tendência de aumento nos casos de síndrome respiratória grave. Segundo a Fundação Oswaldo Cruz, há um sinal contínuo de aumento dos casos de covid-19 em todas as regiões do país. Nas quatro últimas semanas, por exemplo, o SARS-CoV-2 foi associado a 48% dos casos de SRAG e 84% dos óbitos por SRAG no país.

Entre as unidades da federação, o sinal de crescimento foi detectado em 18: Acre, Alagoas, Amazonas, Amapá, Bahia, Distrito Federal, Goiás, Minas Gerais, Mato Grosso, Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Roraima, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, São Paulo, Sergipe e Tocantins.

No ano epidemiológico 2022, já foram notificados 141.808 casos de SRAG no Brasil, sendo 72.092 (50,8%) com resultado laboratorial positivo para algum vírus respiratório, 50.753 (35,8%) negativos e ao menos 11.521 (8,1%) aguardando resultado laboratorial. Entre os positivos para vírus respiratórios desde janeiro, 81,5% foram causados pelo SARS-CoV-2, 8,1% pelo vírus sincicial respiratório e 5,1% pelo Influenza A.

Casos ativos apresentam leve queda depois de sucessivas altas
A Secretaria Municipal da Saúde de Curitiba registrou, ontem, 1.743 novos casos de Covid-19 e dois óbitos de moradores da cidade infectados pelo novo coronavírus (todos nas últimas 48 horas).Até ontem eram contabilizadas 8.281 mortes na cidade provocadas pela doença neste período de pandemia e 453.505 moradores de Curitiba testaram positivo para a Covid-19.

Mas, outro dado do boletim mostrou um certo alento. Depois de sucessivas altas desde abril, o número de casos ativos teve ligeira queda. Ontem eram 11.615 casos ativos na cidade, correspondentes ao número de pessoas com potencial de transmissão do vírus. No boletim de quarta-feira eram 11.640.

No seu momento mais crítico na pandemia, os casos ativos chegaram a passar de 16 entre janeiro e feveiro deste ano, impulsionados pela variante Ômicron. Nos meses seguintes começou a cair com velocidade e chegou a pouco mais de 400 em março, quando começaram uma nova escalada.

Ontem, a taxa de ocupação dos 15 leitos de UTI SUS preferenciais para Covid-19 estava em 40%. Restavam nove leitos livres. A taxa de ocupação dos 25 leitos de enfermarias SUS preferenciais para Covid-19 estava em 56%. Havia 11 leitos vagos.

Paraná
A Secretaria de Estado da Saúde divulgou ontem mais 3.420 casos confirmados e 17 mortes — não necessariamente representam a notificação das últimas 24 horas — em decorrência da infecção causada pelo novo coronavírus. Os dados acumulados do monitoramento da Covid-19 mostram que o Paraná soma 2.494.575 casos confirmados e 43.052 mortos pela doença.

Boletins Covid-19

Dia 26/05

Curitiba
Novos casos 1.743
Mortes 2
Total
Casos 453.505
Mortes 8.281

Paraná
Novos casos 3.420
Mortes 17
Total
Casos 2.494.575
Mortes 43.052

Brasil
Novos casos 33.910
Mortes 143
Total
Casos 30.880.512
Mortes 666.180

Do Bem Paraná

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *