COVID-19 JÁ MATOU EM 43 DIAS MAIS DO QUE DENGUE, H1N1 E SARAMPO AO LONGO DE 2019

COVID-19 JÁ MATOU EM 43 DIAS MAIS DO QUE DENGUE, H1N1 E SARAMPO AO LONGO DE 2019

A Covid-19, doença causada pelo novo coronavírus, já fez mais vítimas em 43 dias do que dengue, H1N1 e sarampo mataram ao longo de todo o ano passado. Segundo o boletim do Ministério de Saúde, divulgado nesta quarta-feira (08/04), 800 pessoas no país já morreram desde 26 de fevereiro em decorrência da Covid-19. As informações são de Célia Costa, d’O Globo.

Ao longo de 2019, a dengue, que é endêmica no Brasil, provocou 782 mortes. O H1N1, vírus que causa um dos tipos de gripe, vitimou 796 pessoas, e o sarampo, 15.

Números da dengue preocupam
De acordo com o boletim epidemiológico do Ministério da Saúde, neste ano (até o dia 28 de março),148 pessoas morreram em decorrência da dengue, 64 delas no Paraná (a secretaria de saúde paranaense, no entanto, registrou mais cinco mortes, subindo para 69 óbitos).

O total de casos de dengue no país, no mesmo período, é de 484.249, número 15% superior ao mesmo intervalo de 2019, quando foram 420.911 notificações.

O índice de aumento, ainda que relativamente baixo, é muito preocupante quando se leva em conta que, desde o ano passado, a curva de crescimento da doença vem aumentando. Ao longo de 2019, foram 1.544.987 casos de dengue no país (e 782 mortes), um aumento de 488% em relação ao ano anterior.

Os dados acenderam o alerta em especialistas e autoridades sanitárias, que já enfrentam a luta contra a Covid-19 e seu acelerado aumento do número de casos, além do fantasma de um colapso no sistema de saúde.

Um estudo assinado por especialistas da Universidade de Harvard, nos Estados Unidos, e pelo secretário Nacional de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, Wanderson Oliveira, projeta falta de leitos e equipamentos no país já em abril. Segundo a pesquisa, o pico de hospitalizações por dengue e a gripe (influenza) em 2019 ocorreu justamente entre março e maio.

Diante deste cenário, o infectologista Edimilson Migowski, professor da UFRJ, reforça a importância da vacinação contra a gripe e o combate aos focos do mosquito Aedes aegypti (transmissor da dengue).

Ele ressalta, porém, que não há relatos de casos de coinfecção, ou seja, quando a pessoa contrai dengue e Covid-19 ao mesmo tempo. E explica ainda que a necessidade de leitos para dengue é bem diferente da Covid-19.

—  A internação para os casos dengue é muito mais simples. Não é preciso isolamento, e nem os profissionais precisam de EPIs (equipamentos de proteção individual). Além disso, a dengue não causa doença respiratória, principal agravante da Covid-19, o que exige equipamentos e leitos de Unidades de Terapia Intensiva (UTIs) — avaliou Migowski.

Tipo 2 da doença voltou a circular
O aumento do número de casos de dengue em 2020 pode ser explicado porque, no fim de 2018, o sorotipo 2 do vírus voltou a circular depois de dez anos e vem encontrando populações suscetíveis à doença desde então.

Existem quatro tipos de vírus de dengue (1, 2, 3 e 4). Cada pessoa pode ter os quatro sorotipos da doença, mas a infecção por um deles gera imunidade permanente e específica.

Especialistas alertam, porém, que a circulação do sorotipo 2 aumenta chance de casos graves. Uma possibilidade preocupante numa época em que o sistema de saúde está mobilizado para o atendimento dos casos de Covid-19.

A infectologista Tânia Vergara, presidente da Sociedade de Infectologia do Estado do Rio de Janeiro, explicou que a dengue é endêmica no Brasil. Ou seja, ela continua existindo e tem surtos quando chega esta época do ano. Com o sorotipo 2 voltando a circular, um grande número de pessoas que são suscetíveis, acabam contraindo a doença.

— A dengue é uma doença que pode ser controlada com a eliminação dos criadouros. As pessoas devem combater os focos do Aedes e fiscalizar todos os pontos dentro de suas casas. A atenção precisa ser redobrada — alertou a infectologista.

Em nota, o ministério reforçou que o enfrentamento ao Aedes é uma tarefa contínua e coletiva, fundamental para evitar focos do mosquito, uma vez que cerca de 80% dos criadouros estão em residências.

Na semana passada, durante uma entrevista coletiva sobre o avanço do coronavírus, o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, e o secretário de Vigilância em Saúde, Wanderson Kleber de Oliveira, fizeram um apelo para que a população dobre os cuidados para evitar a proliferação do mosquito que transmite a doença.

Pediram para que, “agora que estão mais em casa”, as pessoas acabem com os focos, eliminando a água parada. Wanderson e Mandetta disseram que a “co-circulação” de coronavírus e da dengue, “piora tudo”.

A pasta implantou ainda um comitê de operações de emergência para arboviroses, que, além da dengue, engloba chicungunha e zika. O Centro de Operações de Emergência (COE- Arboviroses) irá ajudar na organização da resposta à emergência, além de monitorar e apoiar os estados nas estratégias de combate e controle dessas doenças.

No Paraná, quase metade das cidades vive epidemia
Desde o dia 14 de fevereiro, o Paraná está em estado de alerta, conforme decreto publicado no Diário Oficial do estado.

São 87,9 mil casos, além das 69 mortes confirmadas. Segundo a Secretaria de Saúde, em 2019, na quarta semana do mês de março, eram 2.023 casos confirmados da doença. O aumento, se compararmos com o número atual, é de 4.245%.

Além disso, hoje são 177 cidades em situação de epidemia, o que representa quase metade dos municípios do estado.

—  Estamos atentos ao coronavírus, mas não podemos esquecer da dengue. Por isso, é importante que as pessoas continuem eliminando os focos, porque 90% deles são removíveis. O Paraná teve uma força tarefa, um trabalho técnico de remoção mecânica de criadouros, e os resultados foram surpreendentes nos municípios de Quinta do Sol, Florestópolis e Nova Cantu. Recentemente visitamos cinco mil residências, num trabalho integrado de vários órgãos do Estado e também do Exército. A dengue mata, e não podemos descuidar — disse o secretário de Saúde do Paraná, Beto Preto.

No Mato Grosso do Sul, estado que aparece em terceiro lugar no país, foram confirmados cerca de 40 mil casos e 21 óbitos. O secretário estadual de Saúde de MS, Geraldo Resende disse estar preocupado com a sobrecarga no sistema de saúde, mas afirmou que vai aumentar em 281 os leitos clínicos em três cidades: na capital, Campo Grande, em Dourados e Três Lagoas. Outros 135 leitos de UTI estão sendo instalados em oito municípios.

– Também Estamos montando um centro de triagem no Hospital Regional de Mato Grosso do Sul (que é a unidade de referência para a Covid-19 em MS) já com 80% da estrutura pronta, composto de três tendas dotadas de contêineres, que vão abrigar consultórios e salas de observação, sendo que a tenda maior terá uma estrutura com 108 leitos, assistidos por 60 técnicos em enfermagem (15 por período), 32 enfermeiros (oito por período) e quatro médicos por período —  declarou.

No Nordeste, o estado com maior número de casos é a Bahia, com 14.146 registros. No último boletim do ministério, há apenas uma morte em investigação. No último sábado, no entanto, uma ex-atacante da equipe de futebol feminino de Vitória da Conquista, no sudoeste da Bahia, morreu vítima de dengue hemorrágica. Ely Pites, que tinha 42 anos, disputou o campeonato baiano de 2019.

No RJ, casos de sarampo têm aumento de 24.950%
Já a Secretaria de Estado de Saúde do Rio de Janeiro preparou, no fim do ano passado, um plano de contingência para uma epidemia de dengue tipo 2 no estado. As medidas, anteriores ao novo coronavírus, previam aumento da estrutura de atendimento, compra de veículos, equipamentos e insumos para as vigilâncias municipais, campanha de conscientização sobre os riscos da doença, além de capacitação de profissionais de saúde. Todas as medidas, no entanto, estão sendo adaptadas depois da Covid-19.

No estado, o aumento do número de casos de sarampo também é motivo de alerta. De janeiro a março deste ano, foram registrados 501 casos, enquanto que no ano passado, foram apenas dois, um aumento de 24.950%.

O sarampo é uma doença para qual há imunização. No entanto, apesar das campanhas, o Estado do Rio não conseguiu vacinar todo o público-alvo. Segundo a Secretaria de Saúde, cerca de 1,4 milhão de pessoas foram imunizadas. A meta é de 3 milhões.

Outra doença, a gripe, para qual também existe vacina, também registrou aumento no número de casos este ano. Segundo dados da Vigilância Epidemiológica do estado, este ano já são 13 casos H1N1, sem ocorrência de óbitos.

No ano passado, foram cinco casos. São 121 caos de influenza/SRAG (Síndrome Respiratória Aguda Grave). Em 2019, o Estado do Rio contabilizou 2.432 casos de influenza/SRAG e 168 casos de H1N1, com registro de 62 óbitos.

Foto: Pablo Jacob / O Globo

D’O Globo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *