COM ‘EXPLOSÃO’ DE CASOS EM CURITIBA, SECRETÁRIA FALA EM LOCKDOWN E 75 DIAS DIFÍCEIS

COM ‘EXPLOSÃO’ DE CASOS EM CURITIBA, SECRETÁRIA FALA EM LOCKDOWN E 75 DIAS DIFÍCEIS

A Prefeitura de Curitiba deve rever a flexibilização da bandeira laranja para academias e restaurantes, sinalizada na segunda (15/06), diante do recorde dos 510 casos e seis mortes confirmadas por covid-19 nesta terça (16) e do aumento da pressão no sistema hospitalar da cidade com 85% dos leitos de UTI da cidade ocupados. As informações são de Josianne Ritz, do Bem Paraná.

A expectativa era de que academias e restaurantes poderiam reabrir as portas a partir desta quarta (17), mas em entrevista ao telejornal Boa Noite da RPC, a secretária municipal de Saúde, Márcia Huçulak disse que em razão do novo quadro, a “conversa com os setores terá que ser refeita”. “Nós ouvimos a demanda e sentimos muito por todos os empresários, mas agora nos temos o compromisso de reduzir a movimentação em Curitiba para que o sistema de saúde aguente a demanda. A pandemia chegou a Curitiba, estamos na curva ascendente e precisamos da compreensão de todos os setores e da colaboração da população. Não vamos refazer o decreto”, disse a secretária.

Na entrevista, ela afirmou que a reabertura dos shoppings também pode ser revista: “Tudo pode mudar, as restrições podem mudar de acordo com o avanço do covid-19. Se a população não ajudar e ficar em casa, poderemos sim ter lockdown na cidade”. Ela falou que esteve em reunião nesta terça com o secretário de Estado da Saúde, Beto Preto, e com o prefeito Rafael Greca, porque alguns leitos estão sendo desativados, por baixas nas equipes: “Não adianta ter respirador e leito e não termos médicos e enfermeiros”, afirmou a secretária. Márcia também disse também que falou com o ex-ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta: “Ele disse que os próximos 75 dias serão dificeis de muita pressão no sistema de saúde”.

O total na Capital agora é de 2.375 casos e 89 mortes pela doença. Na divulgação do boletim do dia, mais cedo, a infectologista da Secretaria de Saúde, Marion Burger, chamou a atenção para o crescimento dos casos graves nos últimos dez dias e, que, se esse ritmo se manter, em duas semanas vão faltar leitos de UTI na Capital, tanto para casos de coronavírus quanto das outras situações.

MPPR pede informações sobre flexibilização
A Promotoria de Justiça de Proteção à Saúde Pública de Curitiba do Ministério Público do Paraná (MPPR), instaurou procedimento para acompanhar os ”recuos” da Prefeitura de Curitiba sobre o Decreto Municipal 774/2020, em vigor desde segunda (15). Em ofícios encaminhados ao Município, o MPPR questiona a flexibilização das regras definidas pelo recém-editado decreto, instituído para “estabelecer medidas restritivas às atividades e serviços essenciais e não essenciais como mecanismo de enfrentamento da Emergência em Saúde Pública, decorrente do novo coronavírus, de acordo com a situação epidêmica da Covid-19 e a situação de Risco Médio de Alerta – Bandeira Laranja –, conforme Protocolo de Responsabilidade Sanitária e Social de Curitiba”. Foi fixado prazo de cinco dias para o Município responder os ofícios. A partir das respostas, serão avaliadas as medidas necessárias, inclusive o ajuizamento de nova ação contra o Município de Curitiba. O MPPR quer saber porque as atividades em shoppings, academias e restaurantes estão liberados, quando deveriam estar suspensas durante o alerta laranja.

Foto: Divulgação / Prefeitura de Curitiba

Do Bem Paraná

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *