COM 100 TESTES CLÍNICOS, NENHUMA DROGA TEM EFICÁCIA COMPROVADA CONTRA A COVID-19

COM 100 TESTES CLÍNICOS, NENHUMA DROGA TEM EFICÁCIA COMPROVADA CONTRA A COVID-19

“Nenhuma terapia se mostrou efetiva até agora”, afirma um levantamento recente feito por cientistas da Universidade do Texas analisando mais de 100 testes clínicos de medicamentos para combater a Covid-19. O trabalho, encomendado pela AMA (Associação Médica Americana), lista muitas iniciativas já fracassadas e algumas poucas que deixam cientistas ainda intrigados, sem esconder a frustração com falta de evidência para as drogas usadas até agora. As informações são de Rafael Garcia n’O Globo.

Publicado no JAMA, o periódico acadêmico da AMA, o trabalho fez uma varredura na literatura médica publicada até 25 de março, quando 350 testes clínicos relacionados ao novo coronavírus estavam registrados. Destes, muitos não eram específicos para a doença, vários se referem a vacinas (não fármacos) e alguns se referem a pacientes pediátricos, que não eram o foco da revisão. Sobraram na lista dos pesquisadores 109 iniciativas mais sólidas para avaliar, além de mais de mil estudos, que incluem também relatos de casos isolados.

Em quase quatro meses de epidemia, entre as drogas candidatas já deixadas para trás está, por exemplo, o Tamiflu (oseltamivir). Efetivo contra gripe, o remédio chegou a ser usado inadvertidamente em janeiro em pacientes com Covid-19 que não tinham recebido diagnóstico adequado. Numa avaliação posterior, médicos já constataram que não funcionava bem. O uso de corticoides para tentar evitar os processos inflamatórios mais nocivos da Covid-19 também falharam.

Em meio ao cenário de incerteza, um dos medicamentos que ainda nutrem certa esperança está o antiviral remdesivir (foto), criado originalmente para combater o ebola, mas ainda não aprovado para comercialização na maioria dos países. Um teste que reuniu dados de 53 pacientes nos EUA, Itália, Japão e Canadá viu melhora em 36 (68%) deles com a droga. Como os voluntários não foram comparados a pessoas recebendo placebo ou outros tratamentos, porém, os próprios autores do trabalho reconhecem que a evidência de eficácia deste fármaco é insuficiente, em artigo publicado sexta-feira (10) no New England Journal of Medicine.

O remdesivir é um dos quatro tratamentos escolhidos para o programa Solidarity, da OMS (Organização Mundial da Saúde) que articula um teste em grupos maiores em vários países, que busca conseguir evidências melhores da eficácia de algumas drogas. Os outros fármacos no projeto são o anti-HIV Kaletra (combinação dos fármacos lopinavir e ritonavir), o interferon-beta, usado para atrite reumatóide, e a variação cloroquina/hidroxicloroquina, usada contra malária.

Nenhuma dessas terapias, porém, obteve resultados que permitam conclusões claras até agora.

A hidroxicloroquina, apesar de ainda ganhar a atenção dos médicos, também não entusiasmou os autores da revisão do JAMA, liderados pelo farmacólogo James Sanders. Testes com resultados promissores na França, afirma, eram em grupos pequenos e não contabilizaram voluntários excluídos do teste por problemas de adaptação à terapia. Um teste similar na China, também pequeno, mas com um grupo mais adequado para comparação, não observou nenhum benefício visível da cloroquina.

O Kaletra, visto como promissor no início da epidemia, também está em uma situação ambígua. Resultados de um teste com 199 pacientes hospitalizados por Covod-19 na China, publicados ainda em março no New England Journal of Medicine, não conseguiram enxergar nenhum benefício da droga. Cientistas acreditam que, talvez, os efeitos só sejam perceptíveis para pacientes graves, que receberão a droga em outros testes por vir.

Esperança e efeitos colaterais
No cenário de incerteza, ainda se sustentam sob um fio de esperanças algumas drogas desenvolvidas fora do eixo EUA-Europa.

Um medicamento chamado Arbidol, aprovado na Rússia e na China para tratamento de gripes severas, por exemplo reduziu um pouco a taxa de mortalidade num teste com 67 pacientes chineses. O mesilato de camostat, uma droga japonesa aprovada para pancreatite, mostrou boa eficácia em testes de tubo de ensaio contra a Covid-19 — grau de evidência que é preliminar mas poucas das outras drogas atualmente em avaliação já possuem.

Sanders e seus coautores alertam que, a despeito da pressa, manter o padrão de segurança das pesquisa é essencial, porque não é incomum uma droga usada para um novo propósito prejudicar os pacientes, em vez de ajudar.

O ribavirin, droga que foi testada contra a SARS e a MERS, doença causadas por outros coronavírus agressivos, está sendo reconsiderado agora para a pandemia. Mas a droga já vem de um histórico complicado de efeitos colaterais.

“O ribavirin causa toxicidade hematológica severa”, relatam os pesquisadores. “As altas doses usadas nos testes para SARS resultaram em anemia hemolítica para mais de 60% dos pacientes. Num teste similar com a MERS, em combinação com interferon, 40% dos pacientes acabaram precisando de transfusões de sangue.”

A preocupação com toxicidade, em menor grau, é algo que também ronda os testes com a cloroquina e derivados.

Ciência em alta velocidade
Paolo Zanotto, virologista do Instituto de Ciências Biomédicas da USP, leu o artigo do JAMA a pedido do GLOBO, e disse que o considera “excelente”, mas afirma que o ritmo alucinante da produção de pesquisas sobre a Covid-19 já o torna um tanto obsoleto. Na comunidade de pesquisa, outros nomes de fármacos com potencial promissor estão emergindo.

— Essa é uma revisão extensiva e seminal, mas não inclui estudos mais recentes ou drogas como a ivermectina, que está parecendo muito promissora, e o uso de heparina — diz Zanotto.

O pesquisador da USP, que defende a hidroxicloroquina, apesar das evidências inconclusivas, afirma que resultados mais robustos ainda estão por vir.

— Estamos acompanhando um estudo onde deram ao pacientes a escolha de optar ou não pela terapia. A maioria da centena que optou por receber concentrava aqueles com maior risco, devido a comorbidades (doenças preexistentes). O grupo que foi tratado com hidroxicloroquina e azitromicina na fase ambulatorial teve um quinto da taxa de hospitalização — relatou.

No estudo do JAMA, Sanders e seus autores reconhecem o desafio de resumir o conhecimento que vem sendo produzido em tempo real. O Brasil é um dos países que estão contribuindo, ainda que de forma modesta, com protocolos de pesquisa.

A Fiocruz está testando, por exemplo, a combinação atazanavir/ritonavir, e o Hospital Sírio Libanês de São Paulo tem pacientes recebendo cloroquina, inclusive alguns com sintomas leves. Um estudo do Incor (Instituto do Coração), de São Paulo, está usando medicamentos anticoagulantes para pacientes graves.

“O ritmo frenético da literatura médica publicada sobre a Covid-19 significa que as recomendações e descobertas estão evoluindo constantemente com as novas evidências”, escreveu Sanders. “O que foi publicado até agora deriva exclusivamente de dados observacionais ou de testes clínicos pequenos, nenhum com mais de 250 pacientes, e isso introduz um risco maior de viés ou imprecisão.”

Foto: reprodução

D’O Globo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *