Aurélio Munhoz

Aurélio Munhoz

Aurélio Munhoz é graduado em Jornalismo pela UEPG-Universidade Estadual de Ponta Grossa (1991) e em Ciências Sociais pela UFPR- Universidade Federal do Paraná (1995). É especialista em Sociologia Política pela UFPR (2004) e em Comunicação Organizacional pela FAE Business School (2010). É mestrando em Comunicação Política da UFPR. Jornalista profissional, é assessor de Comunicação da AMP (Associação dos Municípios do Paraná), consultor em Relações Governamentais do Complexo Hospitalar Pequeno Príncipe, secretário da ONG Instituto Educacional Eureka, integrante do Grupo de Pesquisa em Comunicação Eleitoral da UFPR e membro efetivo do Conselho Permanente de Direitos Humanos do Paraná. Foi professor colaborador de Jornalismo na UFPR (2000 a 2002) e assessor de Comunicação da UFPR (2014 a 2018). Atuou nas Assessorias de Comunicação do Governo do Paraná, Uvepar (União dos Vereadores do Paraná) e de vários deputados federais. Foi repórter, editor e articulista de Política, de Economia e de Cidades em veículos como: revista Carta Capital, Rede Mercosul de TV e o jornal O Estado do Paraná.

PELO DIÁLOGO ENTRE A POLÍTICA E O MUNDO DO FUTEBOL

PELO DIÁLOGO ENTRE A POLÍTICA E O MUNDO DO FUTEBOL

O acirramento das posições de extrema-direita do governo Jair Bolsonaro e de seus aliados reacendeu o pavio de um debate explosivo, mas absolutamente necessário, neste momento de grave crise institucional do País: a necessidade de haver uma aproximação cada vez maior entre a Política e o futebol brasileiro.  Não que o tema seja novidade. Considerando-se apenas os últimos 50 anos, absolutamente todos os presidentes da República se apropriaram da enorme capilaridade do futebol para embalar sua popularidade. Começando pelo general Emílio Garrastazu Médici (presidente do Leia mais

O CALVÁRIO DE BOLSONARO COMEÇA AGORA

O CALVÁRIO DE BOLSONARO COMEÇA AGORA

O destino está a um passo de pregar uma duríssima peça de ironia no presidente da República, Jair Messias Bolsonaro. Em maio de 2016, o Senado aprovou a abertura do processo de impeachment da ex-presidenta Dilma Rousseff. Logo após a sessão da Casa, a ex-presidenta recebeu a intimação com a decisão, foi afastada do cargo – e nunca mais voltou ao Palácio do Planalto, a não ser para limpar suas gavetas. Dilma foi afastada oficialmente do posto de presidente da República em 31 de agosto Leia mais

O FIM DO “MITO” E O FUTURO DE MORO

O FIM DO “MITO” E O FUTURO DE MORO

O terremoto político provocado pela saída conturbada de Sérgio Moro do Ministério da Justiça do governo Jair Bolsonaro gerou especulações precipitadas sobre o futuro de ambos e o cenário eleitoral de 2022. A verdade é que, em um país imprevisível e com instituições tão frágeis como o Brasil, muitas vezes é difícil analisar as perspectivas do cenário político com grande margem de acerto. Das obviedades resultantes da saída de Moro, que entre outras coisas fez a gravíssima acusação de que o presidente da República tentou Leia mais

O JEJUM DOS HIPÓCRITAS E A EXPLOSÃO DO CORONAVÍRUS

O JEJUM DOS HIPÓCRITAS E A EXPLOSÃO DO CORONAVÍRUS

A primeira semana de abril trouxe uma nova e definitiva prova de que o presidente da República não governa para o conjunto dos 210 milhões de brasileiros, mas sim para o atendimento das demandas do seu eleitorado. Sua lógica é cartesiana, ainda que velada: candidato full time, o presidente quer fidelizar seu ainda numeroso séquito para as eleições de 2022. O que sustenta este argumento foi sua decisão de propor às lideranças das religiões evangélicas de extrema direita que o apoiam a realização de um Leia mais

O CORONAVÍRUS REVELOU A FACETA POPULISTA-ELEITOREIRA DE BOLSONARO

O CORONAVÍRUS REVELOU A FACETA POPULISTA-ELEITOREIRA DE BOLSONARO

Embora seja um desastre socioeconômico e sanitário para o País de proporções inimagináveis, a chegada do Covid-19 ao território nacional teve ao menos uma utilidade para os observadores da cena política brasileira: revelar, com absoluta clareza, a faceta populista e eleitoreira do presidente da República. A verdade é que, mesmo após receber 57 milhões de votos no segundo turno das eleições presidenciais de 2018 e depois de impor uma derrota grandiosa à oposição, Jair Bolsonaro nunca desceu do palanque. Desde que assumiu o mandato, há Leia mais

POPULISMO E ANTICIENTIFICISMO EM TEMPOS DE CORONAVÍRUS

POPULISMO E ANTICIENTIFICISMO EM TEMPOS DE CORONAVÍRUS

A escalada mundial do Covid-19, conhecido popularmente como coronavírus, suscita uma análise relevante sobre a apropriação que muitos detentores de mandato eletivo fazem de acontecimentos de ampla repercussão midiática para renovar a orientação ideológica das suas narrativas e fidelizar seu eleitorado. Foi assim que no Brasil, assim como em muitas nações, governantes com perfil conservador – portanto, detentores de protagonismo no Poder Executivo – utilizam o surto mundial de coronavírus para adotar um discurso e uma prática marcados por duas características fundamentais: o populismo e Leia mais

PELA ANULAÇÃO DAS ELEIÇÕES DE 2018

PELA ANULAÇÃO DAS ELEIÇÕES DE 2018

A proposta não é minha, mas do experiente jornalista Ricardo Noblat: as eleições presidenciais de 2018 deveriam ser anuladas e o TSE (Tribunal Superior Eleitoral), deveria convocar novo pleito. Motivo: as recentes declarações do principal inquilino do Palácio do Planalto, Jair Bolsonaro, feitas durante sua viagem aos EUA, de que houve fraude no processo eleitoral que culminou com sua vitória. O presidente da República foi mais longe. Sem absolutamente nenhuma prova, afirmou que, se não houvesse fraude, teria vencido o pleito já no primeiro turno. Leia mais

O BOLSONARISMO É O TRIUNFO DO GROTESCO

O BOLSONARISMO É O TRIUNFO DO GROTESCO

A vitória de Jair Bolsonaro nas eleições presidenciais de 2018 não marcou apenas a tomada do Palácio do Planalto pelos movimentos de extrema direita que o apoiam. A ascensão do bolsonarismo também reinseriu, no cenário político brasileiro, uma característica de muitos integrantes destes movimentos que hibernava por 35 anos, ao menos no coração da República: o grotesco. Não que os sete ex-presidentes da República empossados depois da redemocratização do Brasil, em 1985 (José Sarney, Fernando Collor de Mello, Itamar Franco, Fernando Henrique Cardoso, Luiz Inácio Leia mais

A ECONOMIA AMEAÇA O GOVERNO BOLSONARO

A ECONOMIA AMEAÇA O GOVERNO BOLSONARO

O governo do presidente Jair Bolsonaro vive seu pior, embora ainda ostente uma legião de fiéis seguidores. Mas não por força das constantes agressões que impõe – com sua narrativa preconceituosa, rasa e fascista – a grupos como as mulheres, a comunidade LGBT, os negros, os índios e todos os seus opositores. Em uma Nação construída sobre bases profundamente escravocratas e autoritárias, como o Brasil, atos de extrema violência contra os direitos humanos não são suficientes para derrubar um governo. A fragilidade política do presidente Leia mais

O PROTAGONISMO DAS RELIGIÕES NA ELEIÇÃO DE 2020

O PROTAGONISMO DAS RELIGIÕES NA ELEIÇÃO DE 2020

O escancarado movimento dos partidos de praticamente todos os matizes ideológicos em direção às religiões sempre existiu, mas deve se acirrar em 2020. Tanto que, a julgar pela movimentação dos partidos até agora, pode-se dizer que as religiões terão papel de protagonistas nas eleições municipais de outubro. Faz sentido. Embora os ateus correspondam a 8% da população e outros 3,2% sejam indefinidos neste quesito, nada menos que 88.8% dos brasileiros declaram-se praticantes de alguma religião, segundo o Censo do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Leia mais