CASOS DE COVID-19 DISPARAM EM CURITIBA; SECRETÁRIA ADMITE CHEGADA DE NOVA ONDA

CASOS DE COVID-19 DISPARAM EM CURITIBA; SECRETÁRIA ADMITE CHEGADA DE NOVA ONDA

Enquanto cidades do interior do Paraná já vivem um nova onda de Covid-19, com aumento de casos e ameaça de colapso na rede hospitalar, Curitiba parecia estar com a pandemia sob controle. Porém, os números infelizmente começam a mudar e a própria secretária municipal de Saúde, Márcia Huçulak, já admite que a capital vive uma ascendente de contágio. “Parece que agora chegou a nossa vez. A gente sentiu isso já na última quinta-feira o pós-Carnaval mostrou a sua cara”, afirmou a secretária, durante a audiência pública realizada na Câmara Municipal de Curitiba, nesta terça-feira (23/02). As informações são de Josianne Ritz, do Bem Paraná.

Segundo boletim divulgado na terça, em um dia, a cidade somou 834 casos novos de coronavírus, mais que o dobro do registrado na última sexta (19/02), quando foram 410 novas contaminações, e 47,13% maior o que boletim de um mês atrás. Os números de casos ativos também subiram desde sexta, aumentando em mil registros, passando para 5.992.

A secretária também disse que a bandeira amarela, vigente na cidade, cria dificuldade nos cuidados contra a pandemia. “O cidadão comum acha que é vida normal e não é, infelizmente”, afirmou ela. Márcia Huçulak ressaltou a bandeira laranja pode voltar a ser aplicada na cidade, com maiores restrições para conter a transmissão da Covid-19. A secretária relembrou que o Rio Grande do Sul entrou em bandeira preta e outros estados, como Santa Catarina, Rodonia e Amazonas, pediram socorro para Curitiba.

Informações extraoficiais indicavam que nesta quarta-feira (24) a capital deve mesmo retornar à bandeira laranja. Márcia antecipou também que as cirurgias eletivas serão suspensas para resguardar leitos para pacientes com confirmação e suspeita para Covid-19. As regras desta suspensão dependem ainda de medidas que devem ser anunciadas pelo governo do Paraná. O secretário de Estado, Beto Preto já antecipou que entre as medidas está a suspensão das cirurgias eletivas e o aumento do período de toque de recolher, que atualmente é da meia-noite às 5 horas.

Ocupação na RMC já preocupa
Na terça-feira, a taxa de ocupação dos 363 leitos de UTI SUS exclusivos para covid-19 em Curitba está em 90%. No momento restam 36 leitos livres. Foram ativados dez leitos de UTI no Hospital Municipal do Idoso Zilda Arns.

Porém a situação na Região Metropolitana como um todo preocupa. Segundo informações atualizadas na segunda-feira (22), três hospitais da região estavam com as UTIs exclusivas para Covid-19 lotadas: Hospital Santa Casa, o Hospital do Idoso e o Hospital do Rocio, em Campo Largo. Também constavam como lotadas quatro enfermarias para Covid-19: Hospital Cruz Vermelha, Hospital Oswaldo Cruz, Hospital do Trabalhador e Hospital de Reabilitação.

Em todo Estado, a taxa de ocupação de UTIs, somando os hospitais públicos e privados, estava em 91% ontem, sendo 93% na Macrorregião Leste, que reúne cidades da Grande Curitiba, Litoral e Campos Gerais.

Foto: Geraldo Bubniak / AEN

Do Bem Paraná

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *