“BOLSONARO – SINCERÃO OU MARKETEIRO?”

“BOLSONARO – SINCERÃO OU MARKETEIRO?”

Nos últimos meses temos observado que grande parte da mídia nacional, internacional, redes sociais e conversas “olho no olho” tem se ocupado sobre a forma como o Presidente Jair Bolsonaro se expressa sobre vários assuntos.

Durante a campana eleitoral de 2018 ouvíamos várias referências sobre a sinceridade do candidato Bolsonaro que falava o que pensava, e o que muitos gostariam de falar, mesmo quando se excedia no uso de adjetivos e termos populares para expressar suas opiniões.

Após alguns meses de mandato, o que observamos é que se formaram dois grupos, os que continuam defendendo sua postura como expressão de uma simplicidade e sinceridade que se identifica com grande parte da população, e um segundo grupo, cada vez maior, que qualifica este comportamento como intencional e fruto de um marketing pensado e planejado para produzir resultados desejados na repercussão destes arroubos de franqueza.

Seja qual for a motivação para sua forma chocante de fazer seus comentários, a verdade é que já atingiram um nível constrangedor até para os que o acompanham.

Não temos fontes confiáveis para responder a dúvida sobre as verdadeiras intenções por trás das frases de efeito, não sei se ele mesmo conseguiria distinguir quando é expressão de uma sinceridade ingênua, ou quando está, de forma planejada, buscando chocar.

Também chama atenção o fato da mídia focar mais na “forma” do que no “conteúdo” do que o Presidente fala.

Esta semana tive acesso a uma pesquisa, feita com representatividade nacional, que fez algumas perguntas sobre este assunto e dois terços dos entrevistados respondeu que “o fato do presidente não medir suas palavras, mais atrapalha do que ajuda o país” e quase 60% acredita que “algumas declarações do Presidente são de forma proposital”.

Claro que estas respostas devem ser analisadas com ressalvas, porque não sabemos em que contextos estas perguntas foram incluídas e a quais declarações estavam se referindo, mas deve acender uma luzinha amarela para os responsáveis pela imagem do Presidente Jair Bolsonaro.

Mesmo com todas as ressalvas, estes números apontam que, provavelmente, inclusive entre seus apoiadores o desgaste já é grande. A continuidade destes rompantes pode prejudicar a imagem construída durante a campanha. E é necessário recordar que a grande maioria dos que votaram em Jair Bolsonaro em outubro de 2018 só conheciam dele, o pouco que foi possível mostrar em 17 segundos na TV e o que foi propagado pelas redes sociais.

É um vínculo muito frágil para ser sustentado sem o apoio da mídia e da própria classe política que ele combate.

Por outro lado, o silêncio da equipe e a continuidade desta forma de se expressar, pode indicar que eles acreditam que toda esta polêmica é que ainda sustenta a popularidade do Presidente.

Com certeza, não temos como esgotar este assunto em um texto. Vamos precisar conversar muito. Para isso convido você, leitor, para participar deste debate.

Escreva aqui sua opinião:

  1. Você acha que o Presidente Jair Messias Bolsonaro fala o que pensa e se expressa com simplicidade e sinceridade ou é uma estratégia de comunicação para conseguir resultados planejados?
  2. Ele deve continuar se expressando do seu jeito ou deve mudar sua forma de contato com a mídia?

Aguardo sua contribuição.

4 Comentários


    1. E você acha que é por excesso de franqueza ou ele faz propositadamente para chocar?

      Responder

    1. Fernando, você acha que ele deveria ser orientado para ser mais político? Isso está prejudicando o país?

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *