BOLSONARO MUDA DISCURSO SOBRE CLOROQUINA E DIZ QUE NÃO RECOMENDA NADA

BOLSONARO MUDA DISCURSO SOBRE CLOROQUINA E DIZ QUE NÃO RECOMENDA NADA

O presidente Jair Bolsonaro voltou a falar sobre o tratamento que está fazendo para combater a covid-19 com hidroxicloroquina. No fim da tarde da quarta-feira (15/7), o presidente fez uma live no Facebook para confirmar que o segundo teste feito por ele deu resultado positivo para o vírus.

Apesar de defender em outras ocasiões o uso do medicamento e dizer que a droga estava trazendo bons resultados, Bolsonaro afirmou que não recomenda “nada” às pessoas. “Recomendo que você procure seu médico”, disse.

“Estou medicado desde o ínicio com hidroxicloroquina. Tenho recomendação médica para isso. Estou me sentindo bem desde o dia seguinte. Não tive nenhum sintoma forte, uma febre pequena na segunda-feira retrasada, de 38 graus, um pouco de cansaço e dores musculares”, acrescentou.

A declaração ocorre após o subprocurador do Ministério Público Lucas Rocha Furtado pedir, na última terça-feira (14/7), que o Tribunal de Contas da União (TCU) obrigue o presidente a deixar de “propagandear o uso da cloroquina e da hidroxicloroquina no trato da covid-19”.

Durante a live, Bolsonaro ponderou se o fato de estar se sentindo melhor tem a ver com o uso do remédio. “Coincidencia ou não, sabemos que o tratamento não tem nenhuma comprovação científica, mas deu certo comigo.”

Ele relembrou que o medicamento ainda está passando por testes e voltou a falar que tem apoio de alguns médicos para a aprovação do medicamento. “Não estou fazendo nenhuma campanha, o custo é baratíssimo. Deve ser até por isso que existem algumas pessoas contra. Outras, pelo que parece, é uma questão ideológica”, argumentou.

Segundo teste
Uma semana após o diagnóstico positivo para o coronavírus, o presidente Jair Bolsonaro testou positivo novamente para a doença. O presidente deve fazer ainda um terceiro exame para verificar se pode retomar suas atividades.

Segundo informações da CNN, Bolsonaro não apresentaria quadro febril há mais de uma semana, não estaria com falta de ar e nem sem paladar. A taxa de saturação de oxigênio seria de 98% e seus exames de sangue e coração teriam sido considerados normais.

Foto: Evaristo Sá / AFP

Do Correio Braziliense

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *